Resenha | Boa noite – Galera Record

Hello guys! <3

Tava demorando para eu dar piti, né? Pois hoje vou matar a saudade.

Tan tan tan tan…

15801459_1522272241156809_1731596601_n

Título: Boa noite | Autora: Pam Gonçalves | Editora: Galera Record | Páginas: 240 | Ano: 2016 | Adicione: Skoob | Avaliação: ⭐⭐ | Compre o livro: Amazon (Comprando por esse link, você contribui para o crescimento e desenvolvimento do blog ♥).

Alina é uma garota normal. Boa filha, estudiosa e anda sempre na linha. Quando passa para fazer faculdade em uma outra cidade, ela vê nisso uma oportunidade de começar de novo, sem estereótipos ou exigências perseguindo-a. O primeiro desafio com o qual se depara é viver em uma república. Acostumada com a privacidade e aconchego da casa dos pais, Alina se surpreende ao ir parar na “república dos loucos”. É lá onde ela conhece Manu, uma aluna de Ciências sociais super simpática e extrovertida, Gustavo, o “riquinho” da Medicina que é super popular não só devido ao curso, mas também à família; e Talita e Bernardo, um casal que vira e mexe está se agarrando pelos cantos sem vergonha de ter platéia.

15840934_1522272247823475_1908296391_n
Após isso, vem outra questão: seu curso, Engenharia da computação, que possui muito mais homens do que mulheres, e estes costumam utilizar as mulheres como motivo de chacota pela escolha do curso de predomínio masculino.

É um baque muito grande. Mudanças muito grandes. Mas Alina decide enfrentar. Será que Alina conseguirá sobreviver à essa avalanche de mudanças acontecendo simultaneamente?

15801512_1522272254490141_2000575012_n

Bom, quando, no começo do ano, foi divulgado que a Pam lançaria um livro, eu não fiquei empolgada, porque até então eu não lia muitos nacionais, e quando decidi quebrar esse preconceito, logo coloquei Boa noite na lista, afinal a Pam é a única booktuber que acompanho, e apesar de não concordar com tudo o que ela diz, gosto da forma como ela se expressa e se impõe diante de certas coisas. Comprei o livro na Bienal de São Paulo, fui a primeira (SIM, PRIMEIRA) da fila, e ela é ainda mais linda e simpática do que nos vídeos. Enfim, quem acompanha sabe que ela gosta muito de assuntos polêmicos, e que autores como Jennifer Brown, Laurie Halse Anderson inspiraram-a.

Mas sabe qual foi o grande problema do livro? Ela quer abraçar TUDO de uma vez, sem TRABALHAR nisso.

Nesse livro, é abordado: feminismo/machismo, homofobia, racismo, desigualdade social, relacionamento abusivo, “cultura do estupro”... sem apresentar propostas de intervenção, ou trabalhar o psicológico da vítima. Simplesmente é jogado na história. “Oi, tchau” e pronto. Coisa que não se faz, não com esse tipo de assunto. É comum encontrar falhas similares em romances New Adult/Young Adult, mas nesse tipo de livro? Não.

Tomemos como exemplo a Jennifer Brown. Ela escreveu “A lista negra” que aborda bullying, (e por sinal é o livro favorito da Pam) e discorre sobre isso o livro inteiro, trabalhando no personagem de forma minuciosa, passando ao leitor todos os sofrimentos, aflições e batalhas internas sofridas. Foram 272 páginas sofrendo e sentindo tudo o que a Valerie sofreu. A mesma coisa com Amor amargo, que envolve relacionamentos abusivos. É ASSIM que se faz com polêmica: se estuda não só ocorrências passadas, mas se estuda a vítima em seu estado psicológico, suas inconstâncias, fantasmas e dores e como ela expõe ou deixa de expor isso para a sociedade que está ao redor.

Não foi o que aconteceu em Boa noite. No máximo, há uma “solução” para a questão das mulheres, mas ainda assim, faltou MUITO para fechar o assunto. A escrita não é de todo mal, mas a imaturidade é perceptível. Ela tentou inserir um romance clichêzento no meio, mas nem disso eu consegui gostar porque foram tantos contras, que me deixaram atordoada com tamanho descaso.

Desculpe, não aborde polêmica se você não tem propriedade para desenvolvê-la.

Kennia Santos

SP, 20. Completamente fissurada em leitura, futebol e Star Wars.

Um comentário sobre “Resenha | Boa noite – Galera Record

  1. Jéssica Medeiros disse:

    Sobre essa ultima frase… Como dizem por ai: “tô digitando com os pés porque as mãos estão aplaudindo”. Não li o livro e nem os que ela se inspirou de certa forma (e não assisti a nenhum video dela ainda), mas super concordo com isso de não falar do que não sabe. Eu tenho uma raiva insana de autor que faz isso. Joga o tema polemico numa situação perfeita, tem tudo pra desenvolver e enlaçar o leitor de um jeito enlouquecedor, mas faz a besteirada de (com a permissão da palavra) cagar tudo. O tema acaba ficando superficial e até sem sentido. Que a Pam melhore, mas esse livro não ta nem passando perto da minha lista :/

Deixe uma resposta