Resenha | Carry On

Recentemente o blog foi convidado para um projeto em parceria com a editora Novo Séculopara ler e resenhar o livro Carry On, da Rainbow Rowell (confira o Save The Date clicando AQUI), futuro lançamento da editora. Ficamos honrados com a confiança no blog para estabelecer uma boa relação entre o livro e o seu público alvo. Confiram a resenha logo abaixo.

CARRY_ON_1444427528428070SK1444427528B

Título: Carry On.
Autora: Rainbow Rowell.
Número de Páginas: 480.
Editora: Novo Século.
Avaliação: ♥ ♥ ♥ ♥

Quem leu a resenha de Fangirl (leia AQUI) está um tanto imerso neste universo, um mundo mágico composto, principalmente, por bruxos e vampiros, criado por Cath Avery, protagonista em Fangirl, como uma fan-fiction do aclamado Simon Snow. Fique claro: Carry On não é uma continuação de Fangirl, mas, sim, a fan-fiction escrita pela personagem do livro anterior.

Simon Snow é tido como um dos bruxos mais poderosos do mundo, o único capaz de derrotar o terrível vilão que vem atormentando o seu mundo há muito, este é conhecido por Humdrum. Órfão de pai e mãe, Snow mora em Watford, escola de magia, desde que foi descoberto com tamanho poder, dividindo as aulas e o dormitório com outros alunos, assim como em um colégio interno.

O livro ganha um ponto extra pela diversidade de personagens e pelos capítulos alternados entre eles, em destaque há Penélope: amiga inseparável de Snow – e minha personagem favorita -, Agatha: atual namorada de Simon, Baz: colega de quarto do bruxo, o Mago: figura maior de Watford e Lucy: uma figura misteriosa.

r

Simon Snow vem enfrentando muitos desafios e problemas em seus 17 anos, sua namorada – que não parece mais a mesma – além de o bruxo tê-la pego em um momento romântico com Baz, esse relacionamento é apenas uma zona de conforto. Fora esse problema, Snow ainda enfrenta outro ainda maior, o que ocupa boa parte do seu tempo, descobrir os planos de Baz , seu meio-inimigo, contra ele.

Em tantos contratempos, Simon e Baz vão se aproximando cada vez mais e desenvolvendo uma paixão já existente, mas camuflada pela discordância.

Confesso que não esperava muito do livro, mas a Rainbow Rowell conseguiu me agradar muito mais nesse do que em Fangirl. Há o mesmo problema nos dois livros, logo vejo que o empecilho está mesmo presente na escrita da autora: o livro aborda muitos conflitos, mas nem sempre os resolvem por completo e ambos demoram para engatar na leitura, não estava nem um pouco satisfeito nas primeiras 80 páginas do livro, mas a sua evolução é notável.

Em suma, Carry On foi um bom livro. Com um inicio pouco envolvente, a obra foi me conquistando e amadurecendo os personagens, por nossa visão, ao longo do tempo. O romance homossexual, foco principal do livro, foi outro quesito lento – em minha opinião – mas, por fim, muito bem trabalhado.

A leitura foi feita em PDF e, apenas pelos detalhes virtuais, pude perceber o quão magnífica a edição física da Novo Século ficará rica em detalhes e muito bem caprichada. Livro recomendado!

P.S.¹: Não é necessária a leitura de Fangirl para o compreendimento de Carry On.
P.S.²: Essa data, 28.06, foi escolhida em especial pela correlação entre a obra resenhada e o Dia Internacional do Orgulho Gay.

Espero que vocês tenham gostado! Quem tem interesse em ler mais um livro da Rainbow Rowell??? 0/

Até breve, até logo.

Ycaro Santana

Baiano, 15 anos, estudante. Quando não me encontrar lendo, verás uma extensão infinita de outras possibilidades envolvendo a literatura, seja escrevendo, acompanhando adaptações ou buscando novas opções para viver. Permaneço em meu mundo particular e, algumas vezes ando por este planeta chamado Terra.

8 comentários sobre “Resenha | Carry On

  1. Jéssica Medeiros disse:

    Pela capa eu já tava interessada? Sim!!
    Pela sinopse eu já queria muito? Ninguém tem noção hahaha
    E depois dessa resenha, qual o meu sentimento?? Gastar as economias comprando Carry On \o/
    <3

Deixe uma resposta