TOP 5 | Julgando Pela Capa

E aí, pessoal? Pode julgar um livro pela capa? Pode! É legal? É! Desde sempre julgamos um livro pela capa, raramente pegamos um com um visual bem “maltratado” e nos arriscamos na leitura, a não ser que ele seja bem indicado por pessoas confiáveis. O “Julgando pela Capa” vem com a função de continuar julgando o livro pela capa, abaixo há 5 edições que eu considero lindas, mas ainda não li.

Julgando

O MENINO QUE DESENHAVA MONSTROS

O Menino que Desenhava MonstrosUm livro para fazer você fechar as cortinas e conferir se não há nada embaixo da cama antes de dormir. O Menino que Desenhava Monstros ganhará uma adaptação para os cinemas, dirigida por ninguém menos que James Wan, o diretor de Jogos Mortais e Invocação do Mal.

Jack Peter é um garoto de 10 anos com síndrome de Asperger que quase se afogou no mar três anos antes. Desde então, ele só sai de casa para ir ao médico. Jack está convencido de que há de monstros embaixo de sua cama e à espreita em cada canto. Certo dia, acaba agredindo a mãe sem querer, ao achar que ela era um dos monstros que habitavam seus sonhos. Ela, por sua vez, sente cada vez mais medo do filho e tenta buscar ajuda, mas o marido acha que é só uma fase e que isso tudo vai passar.

Não demora muito até que o pai de Jack também comece a ver coisas estranhas. Uma aparição que surge onde quer que ele olhe. Sua esposa passa a ouvir sons que vêm do oceano e parecem forçar a entrada de sua casa. Enquanto as pessoas ao redor de Jack são assombradas pelo que acham que estão vendo, os monstros que Jack desenha em seu caderno começam a se tornar reais e podem estar relacionados a grandes tragédias que ocorreram na região. Padres são chamados, histórias são contadas, janelas batem. E os monstros parecem se aproximar cada vez mais.

Na superfície, O Menino que Desenhava Monstros é uma história sobre pais fazendo o melhor para criar um filho com certo grau de autismo, mas é também uma história sobre fantasmas, monstros, mistérios e um passado ainda mais assustador. O romance de Keith Donohue é um thriller psicológico que mistura fantasia e realidade para surpreender o leitor do início ao fim ao evocar o clima das histórias de terror japonesas.

DarkSide sempre arrasa, não é mesmo? Com O Menino Que Desenhava Monstros não é diferente. Esse tom branco/prata fosco dominante na capa é magnífico, ainda mais acompanhado de uma boca tão incomum no estilo 3D.

As Fases da Lua

As Fases da Lua5 mulheres, 5 fases da Lua, 5 histórias de… amor?

Alice é uma jovem com uma vontade crescente de cair no mundo, até se apaixonar pelo cara mais gato da cidade. Mas um incidente no meio de seu conto de fadas pode mudar sua vida para sempre.

Lena é uma mulher cheia de amor para dar e que stalkeia todos os passos dos homens por quem se apaixona. E ela realmente se apaixona por todos. O problema é que eles não se apaixonam por ela…

Um amor minguante não tem vez na vida de Bruna. Noiva do seu melhor amigo de infância, eles se preparam para o casamento e traçam planos para uma vida inteira juntos. Mas será que não é perfeição demais?

Ainda nova, Dora já é uma médica renomada, segura e decidida, mas seu coração traz uma ferida e ela não está disposta a se abrir novamente. Até que o amor lhe aparece em forma de canção…

Destiny é uma jovem com um passado marcado por dúvidas e segredos, assim como o misterioso luar azul que toma conta de sua cidade, deixando-a confusa e com medo… pois no fundo ela sabe que ele pode guardar as respostas que ela tanto busca.

Assim como a Lua, a vida também é repleta de fases, e neste livro acompanhamos as deliciosas histórias de cinco mulheres que estão em diferentes fases da vida, mas que têm em comum os altos e baixos, os amores e desamores, as promessas e incertezas da busca pela felicidade.

Quero esse livro por conta da Jennifer Brown? Sem dúvidas. Mas, essa capa me seduziria facilmente em uma livraria, amo demais essa relação com o universo e umas ilustrações florais presentes no desenho, exuberante.

O Estranho Mundo de Zofia e Outras Histórias

O Estranho Mundo de Zofia e Outras HistóriasUm livro maravilhoso, que ultrapassa os limites da imaginação! Que tal encontrar um mundo inteiro numa bolsa? Ou jogar pôquer com parceiros, digamos, apocalípticos? O livro que você possui nas mãos nada mais é do que o fantástico e mágico mundo de Kelly Link, uma das autoras mais consagradas da atualidade. Considerado o melhor livro do ano, “O Estranho Mundo de Zofia e Outras Histórias” permeia os limites da imaginação dos que se permitem ser transportados a um mundo fabuloso, cheio de estranhas criaturas, coelhos, jogos muito estranhos, fantasmas, zumbis, feiticeiras, amores e heróis.

Deixe-se levar pelas encantadoras histórias deste livro. Afinal, quem precisa de realidade? “O Estranho Mundo de Zofia e Outras Histórias” é a prova de que sonhar define o tamanho do poder da criação.

Esse eu quero exclusivamente devido a capa. Logo que vi pensei em Alice no País das Maravilhas (ainda penso), no mesmo instante desejei o livro, sua história aborda um tanto de imaginação, mas tenho receio devido a alguns comentários negativos.

A Maldição do Vencedor

A Maldição do Vencedor Kestrel quer ser dona do próprio destino. Alistar-se no Exército ou casar-se não fazem parte dos seus planos. Contrariando as vontades do pai – o poderoso general de Valória, reconhecido por liderar batalhas e conquistar outros povos -, a jovem insiste em sua rebeldia. Ironicamente, na busca pela própria liberdade, Kestrel acaba comprando um escravo em um leilão. O valor da compra chega a ser escandaloso, e mal sabe ela que esse ato impensado lhe custará muito mais do que moedas valorianas. O mistério em torno do escravo é hipnotizante. Os olhos de Arin escondem segredos profundos que, aos poucos, começam a emergir, mas há sempre algo que impede Kestrel de tocá-los. Dois povos inimigos, a guerra iminente e uma atração proibida… As origens que separam Kestrel de Arin são as mesmas que os obrigarão a lutarem juntos, mas por razões opostas. A Maldição do Vencedor é um verdadeiro triunfo lírico no universo das narrativas fantásticas. Com sua escrita poderosa, Marie Rutkoski constrói um épico de beleza indômita. Em um mundo dividido entre o desejo e a escolha, o dominador e o dominado, a razão e a emoção, de que lado você permanecerá?

Fugindo das ilustrações, A Maldição do Vencedor é um grande destaque. Pode ser uma capa considerada feia por muitos, levando em conta a presença de uma modelo real na capa, mas para mim é tudo tão perfeito – desde o vestido da mulher à sua posição “dramática e reflexiva”.

PERDÃO MORTAL

Perdão MortalPor que ser uma ovelha, quando você pode ser o lobo? Ismae Rienne, dezessete anos, escapa da brutalidade de um casamento arranjado no santuário do convento de São Mortain, onde as irmãs ainda servem deuses antigos. Lá ela aprende que o deus da Morte abençoou-a com perigosos dons e um violento destino. Se ela optar por ficar no convento, será treinada como uma assassina e servirá a Morte. Para reclamar sua nova vida, deve destruir a vida de outros. A mais importante atribuição de Ismae leva-a direto para o tribunal superior da Bretanha—onde se encontra terrivelmente sob preparada não só para os jogos mortais de intriga e traição, mas pelas impossíveis escolhas que deve fazer. Como entregar a vingança da Morte em cima de um alvo que, contra sua vontade, roubou seu coração?

Perdão Mortal me remete a muita coisa, como, por exemplo, Game of Thrones, Caçadora, e Katniss. Essa mulher em destaque na capa dá um “ar” de representatividade para a história e ideia de guerras e muita aventura. Resumindo: quero.

Deu por hoje, pessoal! Eu, particularmente, saio julgando todos pela capa, com poucas exceções que são indicações de amigos e booktubers, fora isso, capa sempre! E você, julga sempre pela capa ou dá uma conferida na sinopse? Sinta-se à vontade para responder esse TOP 5 em seu Blog ou por meio de outra rede social.

Até breve, até logo.

Ycaro Santana

Baiano, 15 anos, estudante. Quando não me encontrar lendo, verás uma extensão infinita de outras possibilidades envolvendo a literatura, seja escrevendo, acompanhando adaptações ou buscando novas opções para viver. Permaneço em meu mundo particular e, algumas vezes ando por este planeta chamado Terra.

4 comentários sobre “TOP 5 | Julgando Pela Capa

  1. Jéssica Medeiros disse:

    O único que, confesso, quero demaaaaais na minha estante é “As Fazes da Lua” <3 Bianca Briones ta nesse livro e, nossa, necessito hahaha E, clarooo, a capa ta uma lindeza!!

Deixe uma resposta