Resenha | Dias Perfeitos

Oi leitores, tudo bem? Vocês perceberam que agora o endereço do blog é apenas ‘arafaelagodoy.com.br‘? Estou muito feliz com essa mudança. Foi um pequeno detalhe que deixou o blog mais ‘profissional’ e isso é mais um objetivo nosso (meu e da minha equipe) que foi alcançado. Organizamos melhor o layout, criamos um menu para que vocês tenham um melhor acesso ao conteúdo do blog. E que venham mais conquistas 😀

Hoje estou aqui para falar do livro Dias Perfeitos do Raphael Montes. O Rapha (amigo íntimo já, rs) nasceu em 1990 (novinho gente), no Rio de Janeiro. Advogado e escritor, publicou contos em diversas antologias de mistério, inclusive na Playboy e na prestigiada revista americana Ellery Queen Mystery Magazine. Suicidas, romance de estreia do autor, foi finalista do prêmio Benvirá de Literatura 2010, do prêmio Machado de Assis 2012 da Biblioteca Nacional e do prêmio São Paulo de Literatura 2013. Fonte.

Agora vamos ao que interessa. Se eu pudesse definir este livro com apenas uma palavra, seria: Angústia, de acordo com o dicionário: Aperto de coração, aflição, sofrimento. Sim, é exatamente isso que você vai sentir, mas calma, isso não significa que o livro é ruim, pelo contrário, o livro é bom. Te prende do início ao fim, exceto quando você precisa parar de ler para dar uma volta, digerir as palavras, tomar um copo d’água, espairecer e enfim, voltar a lê-lo.

Dias Perfeitos - Raphael Montes

Autor: Raphael Montes | Ano: 2014 | Páginas: 280 | Editora: Companhia das Letras.

Téo, estudante de medicina, metódico e antissocial. Segue sua rotina de dividir o seu tempo entre a universidade e a responsabilidade de cuidar da mãe tetraplégica. A única amiga que Téo tem é um cadáver de uma senhora que foi doado à universidade para estudos, a Gertrudes. Téo não se interessa pelos simples prazeres da vida que toda pessoa demonstra em sua rotina diária. Ele é incapaz de processar emoções de simpatia, compaixão, carinho e despreza todos a sua volta, enquanto finge ter sentimentos. Téo é um sociopata de DIAS PERFEITOS, o segundo livro do Raphael Montes.

Téo foi intimado a acompanhar sua mãe, Patrícia, em um churrasco de aniversário. Já na festa, ele resolveu se isolar dos convidados e assim, conheceu a extrovertida Clarice, uma jovem alegre, sem papas na língua, cheia de vida e que sonha em se tornar roteirista de cinema. Ela começa a conversar casualmente com Téo e o deixa encantado com sua iniciativa e beleza. Para uma mente emocionalmente instável, aquilo era o indício de que Clarice era a mulher da sua vida. Téo fica obcecado por ela e passa a persegui-la. Essa perseguição o levou a sequestrá-la, o que mostra como uma mente doentia, que pensa estar apaixonada e acredita nas próprias mentiras, pode ser perversa.

O que me fascinou na escrita do Raphael, foi conhecer a perturbada mente de Téo, apesar de o livro ser narrado em terceira pessoa. Como a história é contada sob a visão de Téo, em todo momento temos a oportunidade de entrar na sua cabeça e conhecer um pouco mais sobre uma mente perigosa, fria, capaz de qualquer coisa para conseguir o que quer. Téo sempre consegue justificar suas atitudes, sem se sentir culpado. O comportamento tirano de Téo não se identifica com o carinho e cuidado que uma pessoa apaixonada deve ter.

“Quis dizer qualquer frase que a fizesse parar de sofrer, mas pensou que há momentos na vida em que o sofrimento é necessário.”

O autor narra a estória de uma forma madura, concisa, com descrições bem detalhadas, sem enrolações. A criação dos personagens, o ambiente e o enredo merecem aplausos. DIAS PERFEITOS é um ótimo livro, com acontecimentos cruéis e muito delicados. Não é uma estória comum e de gosto universal. É violento, muito intenso, perturbador. Conforme o livro foi chegando ao fim, a narrativa ficou corrida e o final foi fantasioso. Acredito que o autor quis dar um final inesperado, porém, ficou surreal.

Mas o livro é um Thriller psicológico bem construído e Raphael Montes trouxe, sem dúvidas, outros ares para a literatura brasileira.

 Beijos e Boa leitura!

Rafaela Godoy

Blogueira por paixão ♥ Paulistana, 27 anos, estudante de produção de Websites. Esposa do Samuel. Apaixonada pelos animais de estimação, por livros, séries e filmes.

12 comentários sobre “Resenha | Dias Perfeitos

  1. Bruna Buzzo disse:

    Só em lembrar do Téo fico arrepiada hahahaha
    Ótima resenha Rafa! Gostei do livro mas não fiquei muito satisfeita com o final. :/
    Sucesso pra você! *-*

  2. Kênnia Méleus disse:

    Se eu já não tivesse lido o livro, certamente estaria louca de vontade para ler depois dessa resenha, Rafa! Adorei! Você conseguiu definir direitinho o sentimento de quem acompanha as sandices de Téo pelas páginas de Dias Perfeitos, um livro angustiante, que prende o leitor desde o início da narrativa. Eu me apaixonei pelo protagonista psicopata; pelo funcionamento intrincado de sua mente doente.Preciso, com urgência, ler mais alguma coisa do Raphael Montes.
    A propósito, eu não sabia que o Rapha (também já estou íntima. Hhahaha!) era meu colega de profissão. Nem que era tão jovem! Amei saber disso, obrigada pela informação.
    Estou adorando cada post. Parabéns pelo blog! E sucesso!

    • Rafaela Godoy disse:
      Rafaela Godoy

      Fico muito feliz em saber que você gostou da resenha. Estou trabalhando para que as próximas sejam melhores ainda. Seu comentário me deixou com um sorriso de orelha a orelha, obrigada pelo carinho que você tem por mim e pelo meu blog. Será sempre bem vinda!!! :mrgreen:

  3. Tatiana disse:

    A história é ótima, mas algumas falhas e absurdos derrubam um pouco a sequência. Não vou falar mais pra não dar spoiler hihi. Mas o livro é bom mesmo, você disse tudo na resenha. Renderia um filmão também.
    Bom ver autores nacionais de tanta qualidade… só não sei se terei coragem de ler outro livro do Montes depois de conhecer o Téo! Kkkkkk
    Beijo!

  4. Alice Pereira disse:

    Descobri dias perfeitos por meio do Santiago nazarian (que também escreve ótimos livro) é amei o livro, ele não é como a maioria em que você já sabe o que vai acontecer no final, é um final surpreendente e a historia do livro também. Já li suicidas também, e cara, to ate agora repassando na minha cabeça o que era verdade e o que não era, são livros ótimos. Parabéns ao Raphael pelos livros.

Deixe uma resposta